Tradução em andamento do livro “A Dispensational or a Covenantal Interpretation of Scripture - Which is the Truth?” por Bruce Anstey
Este livro encontra-se em processo de tradução, portanto para uma leitura mais ordenada sugiro que comece pela postagem mais antiga no Arquivo da coluna da direita.

MATEUS 21:1 a 22:46

Esta passagem começa com o Senhor apresentando-Se à nação como o Messias, em conformidade com o que havia sido dito pelo profeta Zacarias naquilo que costuma ser chamado de uma “Entrada Real” em cena. Em Mateus 21:5 o Espírito Santo cita Zacarias 9:9, dizendo: “Eis que o teu Rei aí te vem, manso, e assentado sobre uma jumenta, e sobre um jumentinho, filho de animal de carga.”. Mas ele omite a palavra “salvação” (ou “salvador” ou “vitorioso”, dependendo da versão). A razão disso é que naquele momento não haveria salvação para a nação, uma vez que Ele tinha sido rejeitado. Após a multidão ter ficado de certo modo animada no capítulo 21:1-11, as pessoas acabam manifestando sua incredulidade ao perguntarem “Quem é este?” (vers. 10). Isto demonstra que a nação, como um todo, não conhecia o tempo de sua visitação por Jeová na Pessoa de Cristo (Lc 1:78; 19:44).

No dia seguinte o Senhor demonstrou que, se eles O tivessem recebido, Ele purificaria a nação e começaria a “regeneração” (Mt 19:28) pela purificação do templo expulsando os mercadores (Mt 21:12-16). A reação dos judeus a isso foi de indignação. O Senhor então os deixou e pronunciou uma maldição contra a “figueira” que encontrou no caminho, pois ela não tinha fruto e “não achou nela senão folhas” (Mt 21:17-22). Aquilo era uma ação simbólica indicando que a nação (a “figueira”) seria amaldiçoada por não dar fruto para Deus, e isto ficou evidente pela rejeição que Ele sofreu dos líderes. Usando de uma outra figura para a nação de Israel o Senhor falou aos discípulos do “monte” que seria “precipitado no mar”. Aquilo indicava que a nação seria dispersa entre os gentios, pois o mar é uma figura dos gentios (Ap 17:15).

Questionado pelos líderes eclesiásticos quanto à Sua autoridade para ensinar no templo, Ele respondeu com três parábolas que expunham a condição da nação (Mt 21:23-27). A parábola dos “dois filhos” (Mt 21:28-32) ilustra o comportamento da nação sob a Lei. Havia evidentemente duas partes da nação: o primeiro filho representava aqueles que se rebelaram contra os mandamentos dados por Moisés, porém se arrependeram depois. Estes seriam os publicanos e pecadores que se aproximavam do Senhor para ouvi-Lo (Lc 15:1). Eles formavam a porção menor da nação. O segundo filho manifestou uma hipócrita pretensão de obedecer, porém não era real. Ele representava os escribas e fariseus, que apresentavam um grande teor de profissão religiosa, porém sem arrependimento.

A parábola dos lavradores maus (Mt 21:33-46) ilustra o comportamento da nação sob o ministério dos profetas, incluindo João Batista e o próprio Cristo. Eles rejeitaram os profetas e mataram seu Messias (1 Ts 2:15). Consequentemente a vinha seria entregue a “a outros lavradores” que produzissem “frutos” para Deus. Estes representam o remanescente restaurado de Israel no futuro, o qual produzirá fruto daquela vinha para Deus (Os 14:4-9).

A parábola das bodas do filho do rei (Mt 22:1-14) ilustra o comportamento da nação sob o ministério dos apóstolos antes e depois da cruz. Dois convites são feitos às pessoas, mas esbarram em uma aberta rejeição à graça de Deus. O primeiro indica o chamado feito à nação antes da cruz (vers. 3); o segundo indica o chamado feito após a cruz -- com “bois e cevados já mortos” (vers. 4-6). É então derramado juízo sobre o povo e o rei envia exércitos para destruírem a cidade. Isto, como sabemos, cumpriu-se no ano 70 D.C. por meio de Tito e do exército romano (vers. 7).

Um terceiro convite é enviado a outros que antes não tiveram oportunidade. Isto aponta para o chamado dos gentios pelo Evangelho da Graça de Deus (vers. 8-10). Muitos responderam ao chamado e foram recebidos, “tanto maus como bons”. Isto se refere à mistura de povos introduzidos na profissão cristã; há aqueles na cristandade hoje que têm uma fé genuína e aqueles que apenas professam ser crentes. O resultado é que muitos convidados foram às “bodas”, apesar de nem todos serem genuínos. Então chega o momento quando “o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias”. Esse foi tirado fora para receber juízo. Isto indica o juízo discriminatório que ocorrerá por ocasião da Manifestação de Cristo (Mt 13:37-43; 24:39-41).

Esta última parábola não chega a falar da restauração do remanescente de Israel no futuro, como faz a parábola anterior, pois a ênfase do ensino do Senhor neste momento de Seu ministério era deixar claro para os líderes responsáveis dos judeus o solene fato de que a nação estava para ser colocada de lado por eles O terem rejeitado.



Postagens populares